ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO CIVIL DOS PROPRIETÁRIOS DE LOTES NO CONDOMÍNIO IMPÉRIO DOS NOBRES (ASCRIN) CAPÍTULO I – DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE, DOS OBJETIVOS E OUTRAS DISPOSIÇÕES  

Art. 1º. ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS DE LOTES NO CONDOMÍNIO IMPÉRIO DOS NOBRES, doravante denominada ASCRIN, é uma pessoa jurídica de direito privado, constituída sob a forma de associação civil sem fins lucrativos, regida pelas normas expressas neste estatuto e por aquelas contidas na legislação brasileira.

Parágrafo único. As atividades da Associação caracterizam-se por seu cunho filantrópico, assistencial, promocional, recreativo e educacional, sem qualquer caráter partidário.

Art. 2º. Sua sede e foro encontram-se localizados no seguinte endereço: BR 020 km 2,5 – Sobradinho, BRASÍLIA-DF, CEP 73.251-901. Parágrafo único. É vedada a alteração da sede e foro da Associação.

Art. 3º. A Associação é constituída por prazo indeterminado.

Art. 4º. São objetivos da Associação: São objetivos específicos da associação a representação dos associados proprietários de lotes no Condomínio Império dos Nobres perante todas os Órgãos Governamentais da Administração direta ou indireta e Entidades Públicas ou Privadas.

Art. 5º. No desenvolvimento de suas atividades, a Associação não fará distinções de gênero, orientação sexual, cor, etnia, religião, condição social, posicionamento político ou quaisquer outras que se mostrem discriminatórias ou vexatórias.

Parágrafo único. Ao longo de seu funcionamento, deverão, ainda, ser observados pela Associação os princípios da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da publicidade, da economicidade e da eficiência.

Art. 6º. O exercício social iniciar-se-á em 1º de janeiro e será finalizado em 31 de dezembro, em conformidade ao ano civil.

 Art. 7º. A critério da Assembleia Geral, a organização e o funcionamento da Associação poderão, ainda, ser regulados através de Regimento Interno, a ser aprovado por este órgão.

CAPÍTULO II – DO QUADRO SOCIAL E DAS RESPONSABILIDADES DOS ASSOCIADOS

 

Art. 8º. A Associação será composta pelo número especifico de condôminos constituidores do Condomínio Império dos Nobres, limitado ao total de proprietários dos lotes do Condomínio associados, sejam pessoas físicas ou jurídicas, que serão admitidas através do seguinte procedimento:

Parágrafo Primeiro. Somente poderão ser associados os proprietários de lotes no Condomínio Império dos Nobres.

Parágrafo segundo. A adesão a Associação será realizada por ficha de cadastro disponibilizada na Administração do Condomínio.

Art. 9º. Os associados serão distribuídos nas seguintes categorias:

  1. a) Associados fundadores: pessoas presentes no momento de fundação da Associação, que tenham participado da Assembleia Geral de sua constituição e cuja assinatura esteja registrada na respectiva ata;
  2. b) Associados efetivos: pessoas que se engajem, ativa e regularmente, nas atividades desenvolvidas pela Associação e que se disponham para a consecução de seus fins;

Art. 10. São deveres do associado:

  1. respeitar e observar as disposições deste estatuto, bem como demais normas aprovadas pela Assembleia Geral e pelo Conselho Diretor ou previstas na legislação brasileira;
  2. agir com decoro e com respeito em relação à Associação;
  • cooperar para a efetivação dos objetivos da Associação e para o seu fortalecimento;
  1. participar de maneira ativa, compromissada e zelosa das comissões de trabalho e demais atividades para as quais tenha sido designado;
  2. exercer com responsabilidade os cargos para o quais tenha sido indicado para a Assembleia Geral, inclusive e especialmente aqueles de administração e fiscalização.

 Art. 11. São direitos do associado:

  1. participar das atividades da Associação;
  2. apresentar propostas de atividades ou programas compatíveis com os objetivos da Associação;
  • participar das principais deliberações da Associação, através de sua Assembleia Geral, com direito a voz e a voto.

Art. 12. Salvo quando expressamente autorizados pelo Conselho Diretor ou pela Assembleia Geral, os associados não poderão pronunciar-se em nome da Associação, representá-la em qualquer circunstância que seja ou contrair obrigações a serem por ela cumpridas.

Art. 13. O associado poderá ser desligado da Associação:

  1. a qualquer momento, por sua vontade, mediante requisição de demissão dirigida ao Conselho Diretor.
  2. por expulsão devidamente analisada pelo Conselho Diretor;
  • pela dissolução da Associação;
  1. pelo seu falecimento, em se tratando de pessoa física;
  2. pela extinção da pessoa jurídica associada.
  3. pela venda ou transferência da titularidade da sua propriedade.

Art. 14. A expulsão mencionada no inciso II do artigo anterior será decidida pelo Conselho Diretor, após realizado procedimento disciplinar interno, no qual tenham sido garantidos ao associado-acusado a ampla defesa e o contraditório e cuja conclusão demonstre ter ocorrido pelo menos uma das seguintes hipóteses de expulsão por justa causa:

  1. praticar atos lesivos à Associação, que podem provocar-lhe prejuízo moral ou material;
  2. descumprir as normas contidas neste estatuto ou decididas em Assembleia Geral ou pelo Conselho Diretor;

III. deixar de arcar com as parcelas das taxas ordinários e extraordinárias do Condomínio Império dos Nobres, nos termos previstos pelo Regulamento Interno e pelos órgãos de deliberação, administração e fiscalização;

  1. apresentar conduta incompatível com os objetivos da Associação, tais como a prática de atividades criminosas ou ilícitas.
  • 1º. O procedimento de expulsão será instaurado pelo Conselho Diretor, mediante requisição de qualquer associado.
  • 2º. O Conselho Diretor deverá averiguar as alegações apresentadas contra o associado-acusado, inclusive notificando-o para a apresentação de defesa, e, após, deverá elaborar o relatório final sobre o caso, no prazo máximo de 30 (trinta) dias, a contar do início de sua tramitação.
  • 3º. Concluído o procedimento disciplinar, o Conselho Diretor poderá optar pela expulsão ou aplicação de outras penalidades, a depender das circunstâncias do caso. Notificado desta decisão, o associado-acusado poderá recorrer à Assembleia Geral, no prazo de 15 (quinze) dias.
  • 4º. A confirmação da expulsão do associado dependerá do voto favorável da maioria simples dos associados presentes na Assembleia Geral.

CAPÍTULO III – DA ADMINISTRAÇÃO

 

Art. 15. São órgãos de deliberação, de administração e de fiscalização da Associação:

  1. Assembleia Geral dos associados;
  2. o Conselho Diretor;
  • o Conselho Fiscal.

Da Assembleia Geral

Art. 16. A Assembleia Geral constitui-se no órgão máximo de deliberação da Associação e será composta por todos os associados regularmente registrados, independente de sua categoria.

Art. 17. A Assembleia Geral se reunirá, no mínimo, uma vez ao ano, nos 4 (quatro) meses seguintes à finalização de cada exercício fiscal, para:

  1. apreciar o relatório anual de atividades, o balanço patrimonial e demais documentos relativos aos movimentos financeiros e contábeis do período;
  2. Aprovar a condução automática dos membros da Administração do Condomínio Império dos Nobres e dos membros do Conselho Fiscal.
  • apreciar o plano de ação anual proposto pelo Conselho Diretor. Parágrafo único. No caso do inciso II, a Assembleia Geral Ordinária deverá ser realizada na mesma data da Assembleia Geral Ordinária do Condomínio Império dos Nobres.

Art. 18. A Assembleia Geral poderá, ainda, ser convocada a se reunir extraordinariamente, a qualquer tempo, sempre que os interesses da Associação o exigirem e, especialmente, para tratar das seguintes questões:

  1. propor e apreciar alterações neste estatuto social;
  2. destituir membros do Conselho Diretor e do Conselho Fiscal; 5
  • instituir e modificar o Regulamento Interno e outras normas da Associação;
  1. decidir sobre a dissolução da Associação;
  2. decidir sobre o recurso interposto contra decisão do Conselho Diretor que determinou a expulsão de associado;
  3. autorizar a alienação ou a oneração, a qualquer título, de bens patrimoniais da Associação, única e exclusivamente do CRIN;
  • deliberar sobre a instauração de novos escritórios, representações ou unidades da Associação, além das expressamente mencionadas neste estatuto.

Art. 19. A convocação da Assembleia Geral será realizada pelo Conselho Diretor e, se inerte este, pelo Conselho Fiscal ou por pelo menos 1/5 (um quinto) dos associados em pleno gozo dos seus direitos.

  • 1º. Os associados deverão ser convocados com, no mínimo, 5 (cinco) dias de antecedência da realização da Assembleia Geral.
  • 2º. A convocação conterá indicações precisas do local, da data e do horário em que ocorrerá a Assembleia Geral, bem como das pautas que serão nela discutidas.
  • 3º. A convocação será realizada por meio de Edital de Convocação.
  • 4º – É obrigatória informação aos Associados sobre a realização da Assembleia por meio da fixação de faixa nas dependências do Condomínio.

Art. 20. Para a instalação da Assembleia Geral, será necessária a presença de, no mínimo, 50% (cinquenta por cento) dos associados, em primeira chamada. Na segunda chamada, que será realizada após decorridos, no mínimo, 30 (trinta) minutos do horário marcado para o início, a Assembleia Geral será instaurada com qualquer número de presentes, exceto nos casos em que outro quorum seja exigido.

Art. 21. Salvo disposições em contrário, as deliberações da Assembleia Geral serão tomadas por maioria simples dos presentes.

Seção 2 – Do Conselho Diretor

Art. 22. O Conselho Diretor constitui-se em órgão colegiado, de natureza executiva e administrativa, responsável por formular e organizar as ativ 6

Art. 23. O Conselho Diretor obrigatoriamente será formado pelos membros da Administração em exercício do Condomínio Império dos Nobres e será composto de forma equivalente para seguintes cargos:

  1. a) Diretor-Presidente – Síndico do Condomínio;
  2. b) Vice-Presidente – Subsíndico do Condomínio;
  3. c) Secretário – Secretário do Condomínio;

Art. 24. O mandato dos membros eleitos para o Conselho Diretor será o equivalente do mesmo período da Administração do Condomínio Império dos Nobres, sendo permitida a reeleição por até 1 (uma) vez, por períodos iguais e consecutivos.

Art. 25. São atribuições do Conselho Diretor, dentre outras que lhe forem designadas pela Assembleia Geral:

  1. coordenar e dirigir as atividades gerais da Associação;
  2. celebrar convênios com a iniciativa privada ou com o poder público, nacionais ou internacionais, buscando realizar os fins da Associação;
  • formar comissões especiais de trabalho, quando estas forem necessárias às atividades da Associação;
  1. elaborar e apresentar à Assembleia Geral o relatório anual de atividades, o balanço patrimonial e demais documentos relativos aos movimentos financeiros e contábeis da Associação durante o exercício fiscal anterior;
  2. elaborar e apresentar à Assembleia Geral o plano de ação anual, com previsão de despesas e de receitas para o exercício fiscal seguinte;
  3. elaborar a prestação de contas, sempre que requisitada por parceiros públicos ou privados;
  • receber o pedido de demissão dos associados e tomar as providências cabíveis;
  • instaurar procedimento disciplinar para averiguar possíveis condutas gravosas dos associados, podendo, ao final, estabelecer-lhes penalidades, inclusive a expulsão;
  1. convocar a Assembleia Geral;
  2. cumprir e fazer cumprir este estatuto, bem como as suas próprias deliberações e aquelas proferidas pela Assembleia Geral;
  3. representar e defender os interesses dos associados;
  • administrar os bens patrimoniais da Associação;
  • contratar e demitir funcionários, de acordo com as necessidades da Associação.

Art. 26. O Conselho Diretor se reunirá:

  1. ordinariamente, pelo menos uma vez a cada 3 (três) meses;
  2. extraordinariamente, sempre que houver necessidade ou interesse da Associação.

Parágrafo único. A convocação para as reuniões será feita pelo Diretor Presidente da Associação ou por 50% (cinquenta por cento) dos membros do Conselho Diretor.

Art. 27. Compete ao Diretor-Presidente:

  1. representar ativa e passivamente, judicial e extrajudicialmente a Associação, sempre que notificado ou quando for conveniente aos interesses desta;
  2. presidir a Assembleia Geral e o Conselho Diretor;
  • nomear procuradores e delegar poderes, para fins específicos, quando houver necessidade;
  1. executar demais funções a ele designadas pela Assembleia Geral ou pelo Conselho Diretor.

Art. 28. Compete ao Vice-Diretor:

  1. Substituir o Diretor-Presidente na sua ausência;

Art. 29. Compete ao Secretário:

  1. organizar e coordenar os serviços de secretaria;
  2. manter, sob sua guarda e responsabilidade, os livros e demais documentos relativos à secretaria;
  • secretariar as reuniões do Conselho Diretor e a Assembleia Geral, redigindo e subscrevendo as suas respectivas atas;
  1. responsabilizar-se pelos serviços de relações públicas e de divulgação da Associação, prestando os devidos esclarecimentos e mantendo contato constante com órgãos de imprensa e de comunicação;
  2. executar demais funções a ele designadas pela Assembleia Geral ou pelo Conselho Diretor.

Seção 3 – Do Conselho Fiscal

Art. 30. O Conselho Fiscal é o órgão colegiado responsável pela fiscalização das contas e das atividades contábeis e financeiras da Associação.

Art. 31. O Conselho Fiscal obrigatoriamente será formado pelos membros do Conselho Fiscal do Condomínio Império dos Nobres em exercício e será composto de forma equivalente para seguintes cargos

Art. 32. São atribuições do Conselho Fiscal:

  1. examinar periodicamente os livros e papéis da Associação e o estado da caixa e da carteira, devendo os membros do Conselho Diretor prestar-lhes todas as informações solicitadas;
  2. avaliar e emitir parecer sobre o relatório anual de atividades, o balanço patrimonial e demais documentos relativos aos movimentos financeiros e contábeis da Associação;
  • avaliar e emitir parecer sobre o plano de ação anual elaborado pelo Conselho Diretor, opinando sobre as despesas e as receitas nele contidas;
  1. denunciar imediatamente à Assembleia Geral os erros, fraudes ou crimes verificados, sugerindo providências úteis à Associação;
  2. opinar sobre despesas extraordinárias.

Art. 33. O Conselho Fiscal se reunirá:

  1. ordinariamente, pelo menos uma vez a cada 3 (três) meses;
  2. extraordinariamente, sempre que houver necessidade ou interesse da Associação.

Parágrafo único. A convocação para as reuniões será feita pelo Diretor Presidente da Associação ou por 50% (cinquenta por cento) dos membros do Conselho Fiscal.

Seção 4 – Das eleições De outras disposições

Art. 34. Pelo exercício dos cargos mencionados neste capítulo, não serão atribuídas aos associados remunerações, de qualquer espécie ou natureza.

Art. 35. Os associados que, nos termos do art. 24, que ocupem os cargos mencionados neste capítulo poderão ser destituídos, com justa causa, mediante a verificação de uma das seguintes hipóteses:

  1. mal uso ou dilapidação do patrimônio social;
  2. abandono do cargo, entendido como a ausência injustificada em 3 (três) reuniões consecutivas do órgão do qual faça parte;
  • ocupação de outro cargo ou função que seja incompatível com aquele ocupado na Associação;
  1. prática de atos lesivos à Associação, que podem provocar-lhe prejuízo moral ou material;
  2. desobediência às normas contidas neste estatuto ou decididas em Assembleia Geral ou pelo Conselho Diretor;
  3. conduta incompatível com os objetivos da Associação, tais como a prática de atividades criminosas ou ilícitas.
  • 1º. O procedimento de destituição será instaurado pela Assembleia Geral, mediante requisição do Conselho Fiscal, de qualquer membro do Conselho Diretor ou de, no mínimo, 50% (cinquenta por cento) dos associados.
  • 2º. A Assembleia Geral designará comissão especial composta por 3 (três) ou mais associados isentos, que serão responsáveis pela averiguação das alegações apresentadas contra o gestor-acusado, inclusive devendo notificá-lo para a apresentação de defesa, e pela elaboração de relatório final sobre o caso, no prazo máximo de 30 (trinta) dias, a contar do início de sua tramitação.
  • 3º. Concluído o procedimento disciplinar, a Assembleia Geral deverá ser convocada imediatamente, para analisar o relatório final e deliberar sobre a destituição do associado-acusado.
  • 4º. A destituição dos membros do Conselho Diretor e do Conselho Fiscal dependerá do voto favorável de, no mínimo, 2/3 (dois terços) dos associados.

Art. 36. Além das práticas de gestão administrativa descritas neste estatuto, a Associação poderá, ainda, adotar outras que sejam necessárias e suficientes para coibir a obtenção, de forma individual ou coletiva, de benefícios ou vantagens pessoais, em decorrência da participação no respectivo processo decisório.

CAPÍTULO IV – DO PATRIMÔNIO E DA FONTE DE RECURSOS

Art. 37. O patrimônio da Associação será composto e mantido por:

  1. bens móveis e imóveis que lhe tenham sido doados, transferidos ou incorporados ou que tenham sido por ela adquiridos, provenientes de pessoas físicas ou jurídicas, nacionais ou internacionais, associadas ou não;
  2. bens e direitos provenientes das rendas patrimoniais ou das atividades exercidas pela Associação e doações;
  3. contribuições dos associados, quando houver;
  • produtos de festivais, campanhas ou outros eventos realizados em prol da Associação;
  1. subvenções ou auxílios governamentais.

Art. 38. A Associação não distribuirá entre seus associados ou entre seus gestores lucros, bonificações ou vantagens, a qualquer título ou de qualquer natureza.

Art. 39. Todo o patrimônio e todas as receitas eventualmente percebidas pela Associação serão aplicadas na realização e no desenvolvimento de seus objetos sociais, incluindo os gastos e bens necessários à sua manutenção e ao seu funcionamento administrativo.

Art. 40. A Associação manterá escrituração contábil de suas receitas e despesas em documentos dotados da formalidade necessária para assegurar a sua exatidão, de acordo com os princípios fundamentais de contabilidade e com as Normas Brasileiras de Contabilidade.

CAPÍTULO V – DA PRESTAÇÃO DE CONTAS

 Art. 41. A prestação de contas da Associação observará:

  1. a) os princípios fundamentais de contabilidade e das Normas Brasileiras de Contabilidade; b) a publicidade, por qualquer meio eficaz, no encerramento do exercício fiscal, ao relatório de atividades e das demonstrações financeiras, incluindo-se as certidões negativas de débitos junto ao INSS e ao FGTS, colocando-os à disposição para exame de qualquer cidadão;
  2. c) a realização de auditoria, inclusive por auditores externos independentes se for o caso, da aplicação dos eventuais recursos objeto de termos de parceria, conforme previsto em regulamento;
  3. d) a prestação de contas de todos os recursos e bens de origem pública recebidos será feita conforme determina o parágrafo único do art. 70 da Constituição Federal.

CAPÍTULO VI – DAS ALTERAÇÕES ESTATUTÁRIAS

Art. 42. As cláusulas do presente estatuto social poderão ser modificadas, no todo ou em parte, em Assembleia Geral especialmente convocada para este fim. Parágrafo único. Para que passem a integrar o texto do estatuto, as modificações propostas deverão ter a aprovação de, no mínimo, 2/3 (dois terços) dos associados presentes na Assembleia. CAPÍTULO VII – DA DISSOLUÇÃO

Art. 43. A dissolução da Associação poderá ocorrer a qualquer tempo, caso se verifique não ser mais possível a realização de seu objeto social ou a continuação de suas atividades.

Art. 44. Em qualquer hipótese, a dissolução da Associação será deliberada em Assembleia Geral especialmente convocada para este fim e dependerá da aprovação de, no mínimo, 2/3 (dois terços) dos associados presentes na Assembleia.

Art. 45. Em caso de dissolução, o patrimônio social eventualmente remanescente deverá ser doado a instituição sem fins lucrativos com objetos e atividades similares à da presente Associação e com atuação na mesma região. Parágrafo único. Inexistente instituição com estas especificações, a Assembleia Geral deverá definir o destino do patrimônio remanescente.

Art. 46. Caso a Associação venha a ser qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, nos termos da Lei Federal n. 9.790, de 23 de março de 1999, o patrimônio social eventualmente remanescente após a sua dissolução será doado a instituição igualmente qualificada por esta lei.

Parágrafo único. Ainda que não seja dissolvida, se a Associação vier a perder a sua qualificação de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, o acervo patrimonial disponível que tenha sido adquirido com recursos públicos, durante o período em que persistiu aquela qualificação, deverá ser transferido a outra pessoa jurídica, qualificada nos termos daquela lei, que apresente, preferencialmente, o mesmo objeto social.

CAPÍTULOS VII – DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 47. Os casos omissos serão decididos pelo Conselho Diretor e referendados pela Assembleia Geral.

Art. 48. O presente estatuto entrará em vigor na data de sua aprovação pela Assembleia Geral e revogará todas as disposições contrárias.

Estatuto social aprovado pela Assembleia Geral Extraordinária, realizada em Sobradinho (DF), na data de 17 de janeiro de 2019, conforme ata e lista de presença em anexo.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO (ASCRIN)

A Administração do Condomínio Residencial Império dos Nobres convoca a todos os condôminos para a realização da ASSEMBLEIA DA ASSOCIAÇÃO DO CRIN PARA TRATAR DA APROVAÇÃO DO ESTATUTO, a realizar-se no dia 24 de janeiro (quinta-feira), na Quadra 01, Conjunto B, no salão comunitário, com início ás 20h, com qualquer número de presentes, a qual seguirá a seguinte a pauta:

I- ITENS PARA DELIBERAÇÃO E APROVAÇÃO:                                 

  • Item 1- Leitura da Ata
  • Item 2- Apreciação e votação do Estatuto

II- ITENS PARA INFORMAÇÕES/OUTROS   

  • O Condomínio será contemplado pela UPSA com a doação de 2 (dois) lotes na Quadra 01, Conjunto B e Quadra 02, Conjunto H. Porém, é necessário que seja APRECIDADO E VOTADO O ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO para o recebimento dos lotes.

 

 

Atenciosamente,

 

 

Administração do Condomínio

 

 

 

 

 

 

 

 

Brasília, 08 de janeiro de 2019

AVISO IMPORTANTE

A Assembleia da Associação dos moradores do Condominio e Assembleia Extraordinaria será *ADIADA, devido ao atraso na entrega do EDITAL DE CONVOCAÇÃO

* Os itens da pauta permanece inalterado

Convidamos a TODOS para participar da ASSEMBLEIA. A presença de vocês é muito importante para tomada de decisão.

Dia: 24.01.2019
Horário: 20h
Local: Salão Comunitário

Atenciosamente,

Administração do Condominio

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

A Administração do Condomínio Residencial Império dos Nobres convoca a todos os condôminos para a realização da ASSEMBLEIA EXTRAORDINÁRIA PARA VOTAÇÃO DO DECRETO 33.330/2018 (MUROS E GUARITAS), a realizar-se no dia 24 de janeiro (quinta-feira), na Quadra 01, Conjunto B, no salão comunitário, com início ás 20h, com qualquer número de presentes, a qual seguirá os seguintes itens da pauta:

  1. ITENS PARA DELIBERAÇÃO E APROVAÇÃO:
  • Item 1- Para cumprimento do disposto no parágrafo único do art. 11 do Decreto: “DA CONVERSÃO DE LOTEAMENTO REGISTRADO NO ÂMBITO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA PARA A MODALIDADE DE LOTEAMENTO DE ACESSO CONTROLADO.

Art. 11. A solicitação para a conversão de loteamento registrado no âmbito da regularização fundiária urbana para a modalidade de loteamento de acesso controlado pode ser realizada mediante requerimento do ente legalmente constituído pelos proprietários de lotes, endereçada ao órgão gestor do desenvolvimento territorial e urbano do Distrito Federal, contendo: 

Parágrafo único. Deve constar do requerimento de que trata o caput, ato deliberativo que contemple decisão pelo controle de acesso do loteamento por maioria absoluta dos proprietários dos imóveis ou de seus representantes legais.”

  1. ITENS PARA INFORMAÇÕES/OUTROS
  • As assinaturas dos condôminos será necessário para expressar o apoio em manter MUROS E GUARITAS DO CONDOMÍNIO. Essas assinaturas deverão alcançar o 50% mais 1 (um) do total dos moradores
  • Os funcionários do Condomínio irão coletar as assinaturas do moradores nas residências, a partir do dia 18/01. As assinaturas serão fixadas no livro de presença dos moradores da assembleia.

Atenciosamente,

 

Administração do Condomínio

Brasília, 08 de janeiro de 2019

Projeto de Instalação e Execução de Câmeras no Condomínio Império dos Nobres

A Administração do Condomínio Império dos Nobres, vem por meio deste informar aos moradores a proposta do PROJETO DE INSTALAÇÃO E EXECUÇÃO DE CÂMERAS na área Comercial e residencial do Condomínio, afim de MELHORAR:

– Segurança através do monitoramento nas ruas, facilitando os rondas a identificarem atividades suspeitas

– Monitoramento de animais soltos e sem guia pelo condomínio

– Monitoramento de condôminos que não coletam as fezes de seus animais

            Veja abaixo as fotos do projeto em cada rua:

Figura 1- Projeto de câmera na área comercial, com instalação de 15 câmeras.

* Sujeito a alteração.

           

Figura 2- Projeto de câmera na avenida principal em formato de “T”, com instalação de 18 câmeras.

* Sujeito a alteração

Figura 3- Projeto de câmera na QUADRA 02, com instalação de 19 câmeras.

* Sujeito a alteração

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                              

 

 

Figura 4- Projeto de câmera na QUADRA 04, com instalação de 23 câmeras.

* Sujeito a alteração

 

 

Figura 5- Projeto de câmera na QUADRA 01, com instalação de 25 câmeras.

* Sujeito a alteração

Para este projeto NÃO está incluso o orçamento:

  • CPU
  • Televisão
  • RACK
  • Painel
  • Teclados sem fio

SE HOUVER EMPRESA INTERESSADA EM APRESENTAR PROPOSTA DE INSTALAÇÃO DE CÂMERAS, PROCURAR A ADMINISTRAÇÃO.

 

Atenciosamente,

 

Moisés Neves

PROGRAMA DE SAÚDE AMBIENTAL

PRINCIPAIS ATIVIDADES REALIZADAS PELO PROGRAMA DE SAÚDE AMBIENTAL NO ANO DE 2018

As ações desenvolvidas durante o ano de 2018 serão apresentadas nesse relatório, o qual também servirá como base para melhorias futuras e desenvolvimento de novas ações para reduzir cada vez mais os riscos à saúde da comunidade no Condomínio Império dos Nobres.

Resultados alcançados

1.    Rotina Casa a Casa

Foram realizadas 186 tentativas de visitas, sendo desse total 136 imóveis trabalhados e 50 de imóveis não trabalhados, equivalendo a 63% trabalhados e 37% não trabalhados.

Quadro 1. Classificação dos imóveis trabalhados e não trabalhados no ano de 2018.

 

Imóveis trabalhados

Quantidade %

SIM

136

63

NÃO 50

37

 

  • Dados do controle do Vetor Aedes aegypti

Foco de larvas encontrado

Quantidade

%

SIM

12 9
NÃO 124

91

 

Importante ressaltar que todos os dados coletados são sigilosos e nenhum dado sobre qualquer imóvel é fornecido sem autorização do morador, assim como as denúncias recebidas por solicitação no SAC, e-mail ou celular.

É necessário ressaltar, que esse indicador estando entre 1 e 3,9%, indica situação de alerta, onde devemos ficar atentos para não deixar aumentar a proliferação do mosquito e assim ter risco de surto das doenças transmitidas pelo Aedes, de acordo com o Ministério da Saúde.

 

2.    Saúde Animal

  • Campanha de Vacinação antirrábica

Neste ano de 2018 a cobertura vacinal aumentou em 32%, em relação a Campanha Antirrábica de 2017, tendo o total de 366 (trezentos e sessenta e seis) animais vacinados, equivalente a 60%. Deste total 156 (cento e cinquenta e seis) cães, equivalente a 43%; 151 (cento e cinquenta e um) cadelas, equivalente a 41%; 27 (vinte e sete) gatos, ou seja, 7% e 24 gatas, ou seja, 6%.

  • Registro e Identificação de Cães e Gatos

     

            A identificação e do registro de animais atuam como instrumentos que confirmam a responsabilização ao proprietário, mostrando-se eficaz para conhecer e avaliar, responsabilizando-os quando necessário, no caso de negligência, abandono ou ainda, danos a terceiros. Ainda, o registro e a identificação animal também funcionam como uma ferramenta de auxílio aos moradores em caso de perda ou fuga de seus animais e fomento a cultura de propriedade e guarda responsável, promovendo a interação saudável entre seres humanos, animais de estimação e meio ambiente.

Até o momento foram 423 animais (cães e gatos) registrados. Cabe ressaltar que na campanha de vacinação antirrábica (29/11/18) é uma data importante para conseguirmos realizar uma quantidade de registros significativa, demonstrando que ações como mutirão de registro poderia ser uma estratégia para aumentar o número de animais registrados e identificados.

  1. Reclamações SAC

 

            As principais reclamações do SAC resolvidos pelo Programa de Saúde Ambiental em conjunto com a Administração:

– Poda de árvores:  transtornos causado a vizinhos pela invasão da árvore em suas unidades, causando entupimentos de calhas e queda de galhos, folhas ou frutos

– Som alto: A Equipe de Saúde Ambiental deu orientação educativa e em casos que não foram acatados pelo morador, a Administração notificou e multou em casos de reincidência.

– Animais soltos: registro de 2 ataques de cães pessoas e animais, fezes de animais em calçadas e latidos constantes.

–  Imóveis desocupado: ausência de limpeza no imóvel com risco a saúde da comunidade como:  piscinas sem tratamento adequado com cloro, mato alto, acúmulo de matéria orgânica (frutos e folhas), acúmulo de entulhos ou materiais de construção.

Acidentes com escorpião

 

A Equipe de saúde Ambiental agradece a cooperação dos moradores que entraram em contato. Esta ação nos auxilia eliminar os riscos à saúde da comunidade através do monitoramento das unidades de risco.

 

FAÇA O SEU AGENDAMENTO PARA REGISTRAR SEU ANIMAL ATRAVÉS DO TELEFONE DO SAC (3302-1220) ou por e-mail: imperiodosnobres.saudeambiental@outlook.com